sexta-feira, 17 de outubro de 2014

ECONOMISTAS COM DILMA

“DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO PARA TODOS”

EM DEFESA DO FUTURO DO BRASIL

O Brasil está vivendo uma profunda transformação social que interrompeu o ciclo histórico da desigualdade no País. Nos últimos 12 anos, dezenas de milhões de pessoas tiveram acesso à economia formal e conquistaram um novo patamar de cidadania. Na base dessa transformação está o modelo de desenvolvimento econômico com inclusão social iniciado no governo do presidente Lula e que prossegue no governo da presidenta Dilma Rousseff.
Este modelo ampliou o acesso ao emprego, ao crédito e ao consumo. Combinado com a valorização dos salários e a transferência de renda, dinamizou o mercado interno, estimulou o investimento e promoveu o crescimento econômico, beneficiando a sociedade como um todo. A nova dinâmica da economia permitiu aumentar os investimentos sociais e em infraestrutura. O Brasil tornou-se mais robusto diante das oscilações internacionais.
Mesmo no contexto econômico global mais adverso dos últimos tempos, o governo Dilma manteve seu foco no aumento do bem-estar da população, com ênfase na promoção da igualdade de oportunidades, para que todos possam progredir e realizar seus sonhos e aspirações. Em quatro anos, foram criados 5,5 milhões de empregos formais e a renda das famílias continuou a crescer.
Dificuldades conjunturais existem e devem ser enfrentadas com firmeza; fazendo correções e ajustes sempre que necessário. Mas não podem servir de pretexto para um retorno às políticas econômicas do passado, que se voltavam apenas para uma parcela da população e, diante dos problemas, impunham à maioria o preço da recessão, do desemprego, do arrocho salarial e do corte dos investimentos sociais.
Nos governos Lula e Dilma, a garantia da estabilidade econômica sempre esteve associada ao objetivo de promover o crescimento econômico, com geração de emprego e renda, e a superação das desigualdades sociais e regionais. Essa é a diferença essencial em relação ao modelo anterior, representado pela candidatura do PSDB.
O que está em jogo nesta eleição é a volta ao passado ou a continuidade do modelo que abre as portas do futuro. É a opção entre as políticas que serviram para perpetuar as desigualdades e o modelo que contribuiu para aprofundar a democracia, trazendo à luz milhões de novos cidadãos.
Quem reduziu a pobreza e a desigualdade de renda tem mais capacidade de avançar no processo de inclusão social. Quem aumentou a geração de empregos e ampliou o acesso ao crédito tem mais capacidade de fazer o País crescer. Quem investiu no futuro, duplicando para sete milhões o número de vagas no ensino superior, é capaz de continuar mudando o Brasil e dialogar com demandas sociais crescentes e justas.

Quem construiu as bases de um novo ciclo de desenvolvimento é capaz de conduzir o Brasil nessa nova etapa. Quem democratizou a oferta de oportunidades, criando os alicerces de uma Nação mais justa, é que pode manter o País unido e superar os desafios do momento, sem deixar nenhum brasileiro para trás.
Para o Brasil continuar avançando, com democracia e desenvolvimento econômico para todos, apoiamos a reeleição da Presidenta DILMA ROUSSEFF.

Economistas com Dilma

Dê seu apoio, colocando o nome e local de trabalho para o email:economistascomdilma@gmail.com

A boiada de Eunício Oliveira

O rebanho suspeito do peemedebista, senador e atual candidato ao governo do Ceará, em Goiás. Por Fabio Serapião

Cerca de 3 mil integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra estão há 38 dias acampados em uma pequena extensão de terra nos limites da Fazenda Santa Mônica. Localizada entre os municípios de Alexânia e Corumbá de Goiás, a propriedade é um aglomerado de imóveis rurais com mais de 21 mil hectares registrados em nome do senador e atual candidato ao governo do Ceará Eunício Oliveira, do PMDB. Enquanto negociam a destinação da área para a reforma agrária, os ocupantes do agora acampamento Dom Tomás Balduíno, nome dado em homenagem ao bispo emérito de Goiás falecido em maio, começam a plantar e colher hortaliças. Outro trabalho desenvolvido nesses dias é o de investigação. O MST quer descobrir como o senador conseguiu comprar quase dois terços da área de Alexânia e formar um latifúndio nas proporções da Santa Mônica. Os acampados, inclusive, estão dispostos a deixar a área caso o senador consiga explicar a origem de sua riqueza.
Eunício Oliveira
Há dúvidas sobre o real tamanho do rebanho bovino do ex-ministro, que triplicou sua fortuna em quatro anos
“É muita terra. Como um deputado e depois senador teve tempo para, enquanto legislava, ganhar tanto dinheiro?”, pergunta o coordenador do MST de Goiás, Valdir Misnerovicz. Entre 2010 e 2014, os bens do senador saltaram de 36 milhões para 99 milhões de reais. Em busca de resposta para a vastidão de terra conquistada por Oliveira, o MST encontrou alguns casos que causam estranheza àqueles sem o mínimo de terra necessária para a subsistência. “A cada dia são mais pessoas que denunciam os desmandos do senador aqui na região. Ao que parece, toda essa terra em nome dele foi comprada à custa da vida tranquila dos moradores da região”, completa Misnerovicz. O coordenador do MST cita dois exemplos das situações encontradas desde quando começaram a ocupação.
O primeiro deles é o documentário Passarim. Produzido por Camila de Freitas, então aluna da Universidade de Brasília, o vídeo de 15 minutos de duração reúne vários depoimentos de antigos proprietários de sítios e chácaras atualmente integrados à Santa Mônica. As histórias documentadas em Passarimexpõem a pressão sofrida por esses moradores para que vendessem as terras ao senador e deixassem a região. O caso de Dona Fiíca, que ao lado de seu marido, Vicente Machado, vendeu terras ao peemedebista chama atenção. Segundo a sitiante, corretores enviados por Oliveira pressionaram a família até a venda ser concretizada. “Veio um corretor na casa da gente o ano inteiro. E foi ‘aperrinhando’ a gente, até que resolveu. Tudo que quiser vender e o que não quer eles obrigam a vender”, contou à documentarista. Outro caso é o agricultor Zezinho Alves. Segundo ele, os corretores passaram três anos pressionando sua família para vender o imóvel. “Eu não tinha interesse em sair de lá, não. Mas quase todo dia eles estavam lá. Diziam que tinha que aproveitar e vender, porque os outros iam vender e iam cercar a estrada”, explica Alves, para quem essa tática tem como objetivo pressionar os moradores. “Eles falam que vão fechar a estrada, que vão encher tudo de gado.”
O segundo caso diz respeito, justamente, ao gado de Oliveira. O integrante do alto escalão do PMDB é um pecuarista de sucesso. Em 2006, quando concorreu a uma vaga na Câmara dos Deputados, o candidato não declarou a posse de nenhum boi ou vaca ao Tribunal Superior Eleitoral. Um ano depois, em maio de 2007, a Agrodefesa de Goiás computou ao peemedebista a “posse de 9.258 animais bovinos”. A façanha foi ainda maior no ano seguinte. Em maio de 2008, dois anos após declarar não possuir gado, detinha em seus registros estaduais nada menos que 19.411 animais, ou seja, de sitiante o parlamentar tornou-se o maior criador de gado nelore da região.
Por si só, os números causariam espanto ao mais atento dos fiscais da Receita Federal, mas a história não para por aí. Os bois são alvo de um processo na Justiça que resultou em condenação de uma família inteira e na conquista de mais duas fazendas pelo senador. Em 24 de setembro de 2009, Oliveira compareceu à delegacia de Polícia de Corumbá de Goiás para registrar o desaparecimento de 650 reses nelore e demais animais da mesma raça sem precisar o número exato. Com base em suas alegações, a Polícia Civil instaurou um inquérito policial. Segundo o político, durante sua ausência de cerca de um ano para a realização de tratamento médico, o funcionário Álvaro de Araújo teria roubado o gado. Não há provas nos autos sobre esse suposto problema de saúde.
Em tempo recorde, a polícia cumpriu todas as diligências investigatórias e, em 23 de novembro de 2011, antes mesmo da oferta da denúncia, o juiz Levine Raja Gabaglia não só atendeu ao pedido de sequestro de bens solicitado pelo delegado do caso como autorizou a imissão de posse da Fazenda Cutia em nome do senador. Ou seja, antes de sentenciar os supostos envolvidos no roubo, o juiz entregou a posse da fazenda a Oliveira. Situada próximo à Santa Mônica, a Cutia é de Tito de Araújo Leite, sogro de Álvaro. A justificativa do juiz é que Mano (apelido de Álvaro) teria investido o dinheiro oriundo do roubo do gado em benfeitorias na fazenda. Houve quebra de sigilo bancário dos citados, mas nada foi encontrado. Ainda segundo a investigação, após o investimento na Cutia, Mano comprou a fazenda do sogro e, naquele momento, tentava vendê-la.
Não há nos autos qualquer documento que prove a compra da fazenda pelo ex-funcionário de Oliveira. Contra o argumento do juiz, a família reuniu os registros da terra e diversos testemunhos de corretores da região que afirmam desconhecer a intenção de venda da Cutia. A família de Tito contesta, ainda, as tais benfeitorias citadas pelo juiz. Como prova, juntou ao processo laudo com fotos que mostram que os currais e demais melhorias foram feitos com material reutilizado. Em busca e apreensão cumprida na fazenda em busca dos tais nelores roubados, a polícia encontrou apenas as vacas da raça Guzerá criadas desde a década de 70 pela família de Tito. Mesmo nesse cenário, o processo continuou e o juiz foi além. Autorizou a imissão da posse ao senador de outra fazenda de Tito Leite, a Congonhas, que nem era alvo da investigação.
As discrepâncias entre os fatos e as decisões do juiz Gabaglia, segundo a família Araújo, não param por aí. Após repassar a posse das fazendas de Tito ao peemedebista, antes mesmo do término do processo, o magistrado recebeu a denúncia pelo roubo do gado ocorrido entre 2008 e 2009. Entre os denunciados estava Tito. Aos 78 anos, o aposentado encontra-se desde 2007, ou dois anos antes do suposto roubo de gado, em uma cadeira de rodas devido a um acidente vascular cerebral, nunca possuiu nas suas terras gado nelore e não mantém nenhuma relação comercial com o genro. Outro fato interessante é o número de bois citados na denúncia. Da investigação do sumiço de 650 cabeças, o Ministério Público passou para o roubo de 15 mil bois da raça nelore em menos de um ano. Mas nos autos há dúvidas sobre um fato importante: a existência desse gado. Os depoimentos dos vaqueiros da Santa Mônica colhidos pela polícia apontam no sentido contrário. Segundo eles, o total de bois na fazenda não ultrapassava 8 mil cabeças. Também não foram anexadas aos autos as Guias de Transporte Animal das 650 reses compradas pelo senador e que teriam sido roubadas. Sem as GTAs é impossível a entrada do gado na fazenda, e se ocorreu, foi de forma ilegal.
Por meio de sua assessoria de imprensa, Oliveira informou que “essas pessoas citadas foram investigadas pela polícia e condenadas pela Justiça, portanto, nada, além disso, a declarar”. Mesmo sem ter encontrado nos autos as provas sobre o tal roubo das 650 ou 15 mil cabeças de gado, CartaCapital prefere não entrar no mérito do caso. Há, isso é fato, uma discrepância entre o número de bois declarado ao TSE, o informado à Agrodefesa e o citado no depoimento de 11 vaqueiros da Santa Mônica. Tal diferença é passível de investigação por parte da Agrodefesa e da Receita Federal. Não bastasse, mesmo depois de o Ministério Público e do Tribunal de Justiça de Goiás decidirem pela devolução da Fazenda Congonhas, o juiz atropelou a alçada superior e não cumpriu a decisão. A família Araújo recorreu à Corregedoria do Tribunal e também pediu ao Conselho Nacional de Justiça uma investigação contra o juiz Levine. Até agora não houve nenhuma movimentação por parte dos órgãos fiscalizadores. Enquanto isso, o magistrado é o responsável pela reintegração de posse da área do atual acampamento do Movimento Sem Terra. Por sua vez, Oliveira aguarda a decisão do juiz e disputa o segundo turno da eleição para governador do Ceará.
Portal Title

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

PT X PSDB


Quem quiser criticar o PT pelo aspecto da corrupção, pode até criticá-lo, mas, por favor, por dever de coerência, vote, no 2.º turno, branco ou nulo, porque, no "ranking" da corrupção partidária, o PT ocupa apenas a 9.ª posição, ao passo que o PSDB é o 3.º partido com mais corruptos do Brasil!
Em verdade, o que diferencia basicamente PT e PSDB é um certo viés ideológico, mais à esquerda de um, e mais à direita de outro. Dilma é adepta do Estado social, intervencionista, altivo nas relações externas e protagonista na promoção da justiça social. Aécio Neves é produto do recrudescimento do neoliberalismo, reedição da doutrina do Estado mínimo, não-intervencionista, subserviente nas relações internacionais e coadjuvante na promoção da justiça social.
A elite, sobretudo a paulistana, está ansiosa pelo retorno do liberalismo, bem mais simpático aos seus interesses de classe. Os mais humildes, sobretudo do Norte e Nordeste, estão, de modo geral, satisfeitos com os programas sociais do Governo.
Haverá, enfim, neste segundo turno, mais um "round" da velha luta entre ricos e pobres no Brasil, vencida entre 1500 e 2002 por um lado e entre 2002 e 2014 por outro.
Cabe a cada um decidir – livremente – de que lado estará.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Como é eleito um deputado?

Saiba como seu voto é calculado e quem você pode ajudar a eleger indiretamente nestas eleições
Câmara dos Deputados
Deputados são escolhidos a partir de cálculo da Justiça Eleitoral
No Brasil, a escolha dos representantes para o poder Executivo, cargos como os de presidente da República e governador, é feita pelo sistema majoritário, baseado em uma conta simples: quem tiver mais votos ganha. Nas eleições para deputado federal, estadual e distrital, no entanto, o sistema é o proporcional, uma forma de escolha que possibilita a eleição de um candidato com poucos votos, enquanto um nome bem votado pode ficar fora do parlamento. Abaixo, entenda como funcionam as eleições proporcionais e saiba onde pode parar o seu voto:
Em quem o eleitor vota?
Cada eleitor vota em um candidato a deputado federal e outro a deputado estadual (ou distrital, se morar no Distrito Federal). Os deputados eleitos não são necessariamente os que têm mais votos, já que a definição passa pelo cálculo de dois números: o quociente partidário e o eleitoral.
Como se calcula quem ganha as eleições?
Primeiro, o total de votos válidos dos eleitores é dividido pelo número de vagas. Este é o chamado quociente eleitoral – ou seja, quanto cada partido ou coligação precisaria de votos para eleger um deputado. Por exemplo: em um estado com dois milhões de votos válidos e vinte vagas para a Assembleia Legislativa, o quociente eleitoral será de 100 mil.
Depois, os votos de cada partido ou coligação são divididos pelo quociente eleitoral. Se, no mesmo estado hipotético acima, um partido tiver 400 mil votos, ele irá eleger quatro deputados. Por fim, os quatro deputados mais bem votados do partido ou coligação serão eleitos.
Este sistema causa distorções?
Sim, pois candidatos com muitos votos podem não ser eleitos. Outros, com poucos votos, podem ganhar uma vaga.
Na última eleição, a hoje presidenciável Luciana Genro (PSOL) recebeu 129,5 mil votos para deputado federal pelo Rio Grande do Sul, sendo a oitava mais votada no estado. Genro não conseguiu um lugar entre os 31 deputados do estado, no entanto, e se tornou a candidata mais bem votada do País a não obter uma vaga. Isso ocorreu porque o PSOL não conseguiu atingir o quociente eleitoral do estado, e ficou sem vagas.
Também em 2010, Jean Wyllys (colunista de CartaCapital) foi beneficiado pelo mesmo sistema que prejudicou sua colega de partido. Com 13 mil votos, Wyllys se tornou o deputado federal eleito com a menor proporção de votos do País. O psolista ganhou uma vaga na Câmara graças à votação do seu colega Chico Alencar (PSOL-RJ), que teve 240 mil apoiadores. Com os votos de Alencar, Wyllys e outros, o PSOL-RJ teve direito a duas vagas na Câmara. Como Wyllys foi o segundo mais votado do partido, teve direito a essa vaga.
O que é um puxador de votos?
É um deputado que ajuda a eleger outros do seu partido com uma grande votação. Tiririca (PR-SP), por exemplo, recebeu 1,3 milhão de votos na última eleição, um valor bem acima do necessário para ser eleito. Com isso, conseguiu levar à Câmara mais três candidatos de sua coligação.
O efeito dos puxadores, porém, costuma ser hipervalorizado. Levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) mostra que apenas 35 dos 513 deputados federais foram eleitos somente com seus próprios votos. Isso significa que conta mais o conjunto de votos nos candidatos do partido do que o efeito de grandes puxadores de votos.
O que é o voto em legenda?
É o voto dado a um partido, e não a um candidato. O eleitor pode escolher votar numa legenda e, desta forma, ajudá-la sem escolher um candidato em específico. Este voto conta para o partido, ou coligação, chegar ao quociente eleitoral.
O que é um suplente?
Se um deputado sai do seu cargo, o primeiro candidato mais votado da coligação assume a vaga. Geralmente a saída do cargo ocorre quando um parlamentar assume ministérios, secretarias ou o Executivo. Apenas em 2013, devido à posse de prefeitos e secretários, 17 deputados suplentes assumiram os mandatos na Câmara no início do ano.
É possível saber quem meu voto está ajudando?
Sim. Deve-se levar em conta os candidatos do partido ou da coligação em que se está votando. Em 2014, por exemplo, o eleitor de São Paulo que votar em um candidato do PT pode ajudar a eleger nomes do PCdoB, porque os dois partidos fizeram uma coligação no estado. Da mesma forma, o eleitor paulista que votar em um candidato do PSDB pode ajudar a eleger nomes do DEM e do PPS, coligados com os tucanos.
Em Minas Gerais, a situação é diferente. O eleitor que votar em um candidato a deputado federal do PT estará ajudando a eleger nomes de toda a coligação: PMDB, PCdoB, PROS e PRB. O eleitor de Minas que apostar em um deputado federal tucano, por sua vez, pode ajudar a eleger candidatos de outros 13 partidos, todos da coligação encabeçada pelos tucanos: PP, DEM, PSD, PTB, PPS, PV, PDT, PR, PMN, PSC, PSL, PTC e SD.
Todas as coligações proporcionais por estado podem ser verificadas no site do Tribunal Superior Eleitoral.
Quantos votos um partido precisa para eleger um deputado?
Depende. Este número varia conforme o número de eleitores do estado, o número de vagas, abstenção dos eleitores e votos que foram anulados. Segundo dados do TSE, nas últimas eleições o maior quociente eleitoral foi em São Paulo. Para eleger um deputado federal, o partido ou coligação teve de alcançar 314.909 votos. Para conseguir um deputado estadual, precisou de 230.585 votos.
Os menores quocientes em 2010 foram os de Roraima, onde os partidos tiveram de somar 27.837 votos para eleger um deputado federal e 9.370 para eleger um estadual.
Um senador é eleito da mesma forma?
Não. Um senador é eleito por voto direto. Caso ele saia do cargo, quem assume é um suplente que foi eleito junto com ele. Os suplentes de cada candidato também podem ser checados no site do Tribunal Superior Eleitoral.
Quais as alternativas para isso?
O sistema proporcional vigente hoje é alvo de diversas críticas, mas há grande variedade de propostas de reformas eleitorais e políticas para mudar este quadro.
A CNBB, a OAB e outras entidades propõe que o eleitor vote primeiro em um partido e, posteriormente, escolha um candidato daquela legenda. As diversas propostas de reforma política apresentadas pelo PT na última década também pedem a chamada votação em lista.
O PSDB, por sua vez, defende uma mudança na divisão geográfica dos eleitores para o chamado ‘voto distrital’. Na proposta tucana, os estados seriam divididos em diversas partes, e cada ‘distrito’ escolheria somente um candidato. Parte do partido defende o sistema misto, onde alguns dos candidatos seriam escolhidos por distritos e outros continuariam no modelo atual.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

No Ceará, juiz determina recolhimento de adesivos e fotos de Eunício ao lado de Dilma

Desde a segunda-feira (29), vários municípios da Região Noroeste do Ceará (ainda não temos informações se o fato ocorreu em outras Regiões do Estado), principalmente, nos municípios de Ipu e Ipueiras, a 300 km de Fortaleza, diversas fotos do candidato Eunício Oliveira do PMDB, ao lado da candidata Dilma Rousseff  do PT, estavam sendo distribuídas aos eleitores (foto ao lado).

No Ceará, o PT é o partido do candidato Camilo Santana que tem o apoio do Governador Cid Gomes (PROS) e a coligação do PMDB de Eunício 15 é oposição, por isso, não poderia usar as fotos da presidente Dilma.

Representantes do PT no municipal de Ipueiras entraram com um pedido junto ao judiciário, para que as fotos fossem retiradas, e o Juiz Eleitoral acatou o pedido, pois as fotos estavam usando a imagem do PT, que é o partido de Camilo 13 que é o candidato do partido da Dilma (foto abaixo).

Além das fotos, banners estavam sendo colados nas casas, em cavaletes pelas ruas e praças e adesivos estavam sendo colados em veículos e motos. 


Todos foram abordados pela Polícia Militar, com ordem de retirada pelo Juiz Eleitoral do município. O fato ocorreu nesta segunda-feira (29), na sede, e nesta terça-feira (30), no interior de Ipueiras.

Já em Ipu, município vizinho a 24 km de Ipueiras, internautas divulgaram nas redes sociais fotos do candidato Eunício ao lado da presidente Dilma para denunciar que a militância do PMDB estava preparando a mesma ação que já havia ocorrido no município de Ipueiras. Até o momento, não temos informações se as irregularidades chegaram a ocorrer em Ipu.
- See more at: http://www.netcina.com.br/2014/09/no-ceara-juiz-determina-recolhimento-de.html#sthash.C0gATy0i.dpuf

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Propaganda de Eunício que denegria Camilo é suspensa pela Justiça

Justica 1O Juiz Auxiliar da Propaganda Eleitoral, Antonio Sales de Oliveira, deferiu o pedido de concessão de liminar interposta pela Coligação “Para o Ceará Seguir Mudando”, contra a propaganda do candidato da coligação “Ceará de Todos“, Eunício Oliveira, por tentar vincular a imagem do adversário ao suposto desvio de verbas públicas, diante das irregularidades encontradas em convênios firmados entre a Secretaria das Cidades e os municípios de Horizonte e Pindoretama.
“Assisti à mídia acostada aos autos e verifiquei que os Representados, conquanto relatam fatos noticiados na imprensa, eximiram-se de esclarecer que o Sr. Camilo Santana assumira a pasta após liberação dos recursos investigados. Daí entendo, em análise superficial, que foram utilizados meios publicitários destinados a criar artificialmente juízo de valor negativo na mente do eleitor, porquanto veiculadas tão somente as circunstâncias que beneficiavam os Representantes. Por isso, tenho que a publicidade em tela afronta à legislação eleitoral e traz, a cada veiculação, prejuízos irreparáveis ao candidato Representante”.
Com a decisão a veiculação da propaganda deve ser imediatamente retirada do horário eleitoral gratuito, “sob pena de pagamento de 5.000 Ufirs por veiculação”.
Íntegra da Decisão de Liminar:
Decisão Liminar em 29/09/2014 – RP Nº 266272 JUIZ ANTONIO SALES DE OLIVEIRA
Trata-se de representação com pedido de concessão de liminar interposta pela Coligação “Para o Ceará Seguir Mudando” (PRB/PP/PDT/PT/PTB/PSL/PRTB/PHS/PMN/PTC/OPV/PEN/PPL/PSD/PCdoB/PTdoB/SD/PROS) e por Camilo Sobreira de Santana, candidato a governador nas Eleições de 2014, em face de Eunício Lopes de Oliveira, candidato a governador nas Eleições de 2014; e da COLIGAÇÃO MAJORITÁRIA “CEARÁ DE TODOS” (PMDB/PR/PSDB/DEM/PPS/PSC/PSDC/PTN/PRP), por suposta veiculação de propaganda irregular, em horário eleitoral gratuito, com o intuito de denegrir a imagem do candidato Camilo Santana.
Os Representantes aduzem que, no dia 26 de setembro, os Representados transmitiram, durante a propaganda eleitoral na TV, bloco noturno, peça publicitária com conteúdo que denigre a honra do candidato Camilo Santana, por tentar vincular sua imagem ao suposto desvio de verbas públicas, diante das irregularidades encontradas em convênios firmados entre a Secretaria das Cidades e os municípios de Horizonte e Pindoretama, encontrando-se, por isso, bloqueados os bens do candidato Representante.
Defendem, na espécie, que nunca foi comprovada a participação direta nem indireta do Sr. Camilo Santana, ressaltado que o único processo que teve o mérito apreciado pelo Tribunal de Contas do Estado do Ceará, o candidato fora isentado de qualquer responsabilidade.
Arraigam sua indignação no art. 6°, §2°, da Lei n° 9+.504/97; art. 242 do Código Eleitoral, art. 5º da Resolução TSE n° 23.404/2014 e na jurisprudência pátria.
Ademais, ressaltam os irreparáveis prejuízos que lhe serão advindos na permanência da veiculação da propaganda em tela.
Nesse sentido, requer concessão de liminar, inaudita altera pars, a fim de que os Representados se abstenham de veicular a propaganda objeto desta Representação, ou explorar negativamente o fato do “escândalo dos banheiros” no horário reservado à propaganda eleitoral gratuita dos candidatos majoritários, sob pena de pagamento de multa de R$ 50.000,00 por veiculação.
Ao final, pugna, em suma, pela procedência da demanda, com aplicação de penalidade pecuniária.
Relatado. Decido.
Em cognição sumária, própria do pedido de liminar, entendo que assiste razão aos Representantes.
Assisti à mídia acostada aos autos e verifiquei que os Representados, conquanto relatam fatos noticiados na imprensa, eximiram-se de esclarecer que o Sr. Camilo Santana assumira a pasta após liberação dos recursos investigados.
Daí entendo, em análise superficial, que foram utilizados meios publicitários destinados a criar artificialmente juízo de valor negativo na mente do eleitor, porquanto veiculadas tão somente as circunstâncias que beneficiavam os Representantes.
Por isso, tenho que a publicidade em tela afronta à legislação eleitoral e traz, a cada veiculação, prejuízos irreparáveis ao candidato Representante.
Concluo, por conseguinte, pela existência dos pressupostos autorizadores e defiro parcialmente o pedido de liminar para determinar que os Representados sustem imediatamente a veiculação da propaganda eleitoral em tela, no horário eleitoral gratuito dos candidatos majoritários, sob pena de pagamento de 5.000 Ufirs por veiculação.
Notifiquem-se os Representados para cumprimento imediato desta decisão e para, querendo, apresentarem defesa no prazo legalmente estabelecido.
Comunique-se, também, ao Parquet Federal Eleitoral Auxiliar.
P.R.I.
Expedientes necessários.
Fortaleza, 29 de setembro de 2014.
Antônio Sales de Oliveira
Juiz Auxiliar da Propaganda

Deputado se queixa de eleitor que quer ganhar algum para votar

andrefigueiredo
“A culpa nem sempre é só dos políticos. Deputado cearense pelo PDT e candidato à reeleição, André Figueiredo diz que, principalmente em municípios do interior, sobram eleitores vendendo o voto.
Diz Figueiredo:
- A gente se aproxima, e o cara fala abertamente: ‘Mas para votar em você eu preciso ganhar alguma quantia’.
Obedecendo a lei de oferta e procura, por outro lado, ninguém dúvida de que há uma penca de candidatos ao redor do país comprando votos de quem quiser vender.”
(Coluna Radar, da Veja Online/Foto – Paulo MOsKa))

Uma super semana de pesquisas

Nesta terça-feira, dentro do Jornal Nacional, será divulgada mais uma pesquisa da corrida presidencial:  a do Datafolha. É uma parceria da Rede Globo com a Folha de São Paulo.
O Instituto fez pesquisa com 7.526 eleitores, nesta segunda e terça-feira, sendo que na quarta e quinta o Datafolha fará uma nova consulta. Dessa vez, com 12. 148 eleitores, com resultado saindo na quinta-feira à noite também no Jornal Nacional.
A semana de pesquisas será encerrada sábado, quando Datafolha e Ibope divulgarão pesquisas e prognósticos sobre a sucessão presidencial e sucessão nos Estados, incluindo o Ceará.

Fonte: Blog do ELIOMAR

Cid culpa Prefeitura de Maracanaú por atraso na construção do Hospital Metropolitano

IMG_9471.1O governador Cid Gomes esteve nos estúdios do Sistema Ceará Agora na manhã desta terça-feira, 30, onde concedeu entrevista aos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida. Quando questionado sobre investimentos na área da Saúde, Cid disse que ainda existem ações importantes para serem feitas.
Até o final do ano o Governo deve estar entregando o Hospital Regional do Sertão Central. Duas policlínicas serão construídas em Maracanaú e Canindé. Consta também na lista de prioridades do Governo o início das obras do Hospital do Jaguaribe e do Hospital Metropolitano, a ser construído em Maracanaú. “Estamos só aguardando o licenciamento da Prefeitura de Maracanaú. Até aproveito para pedir ao prefeito que agilize porque há um candidato dizendo que vai levar o hospital para outro lugar. Isso acabaria prejudicando duas vezes a população de Maracanaú”, apelou Cid Gomes.
O Hospital Regional do Jaguaribe, será construído no entroncamento que liga os municípios de Russas, Limoeiro e Morada Nova; Por sua vez o Hospital Metropolitano já está com área definida em Maracanaú, ficará às margens do Anel Viário, onde acontece a duplicação. “O hospital foi pensado estrategicamente para que a população de cidades como Baturité, Aquiraz, Eusébio, Itaitinga, Caucaia e demais municípios da Região, tenha acesso rápido e fácil quando preciso. O esforço é para que as obras comecem ainda neste ano”.

Bancários do Ceará aderem à greve

O Sindicato dos Bancários do Ceará informou, nesta terça-feira (30/09), que a greve deve ser “forte” em Fortaleza e no interior do estado. “Nosso objetivo é que seja forte e rápida para minimizar os danos para a população”, disse o diretor executivo do sindicato, Clércio Morse, que espera dar velocidade com as negociações com o movimento grevista.
Os bancários de bancos públicos e privados decidiram em assembleias realizadas na última segunda-feira (29) entrar em greve a partir de terça-feira, por tempo indeterminado, segundo informou em nota a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). Até às 22h de segunda-feira, além do Ceará, outros 19 estados e mais o Distrito Federal haviam concordado com a greve.
“Essa é uma greve que foi avisada há muito tempo. Sábado teve uma nova rodada de negociação e as propostas melhoraram, mas ainda estão abaixo do que estamos pedindo”, disse Morse. Segundo o sindicalista, as agências bancárias localizadas no Centro de Fortaleza e nos principais corredores financeiros, devem parar nesta terça-feira. “Avenida Bezerra de Menezes, Washington Soares, Gomes de Matos, Santos Dumont, todas estarão paradas hoje”, afirmou.
Os bancários que decidiram pela greve pedem reajuste salarial de 12,5%, além de piso salarial de R$ 2.979,25, PLR de três salários mais parcela adicional de R$ 6.247 e 14º salário. A categoria também pede aumento nos valores de benefícios como vale refeição, auxílio creche, gratificação de caixa, entre outros.
Fonte: Ceará agora

"Postura de desesperado", diz Camilo sobre exploração de escândalo

O candidato ao governo pelo PT, Camilo Santana, disse, ontem, em evento no Marina Park, que tentativa do adversário Eunício Oliveira (PMDB) de relacioná-lo ao chamado escândalo dos banheiros “é postura de desesperado”. Camilo voltou a destacar ter sido isento por órgãos de fiscalização de ter envolvimento com o desvio de verba e disse que Eunício está “usando de má fé, de forma suja e mentirosa”.

Além de defender seu candidato das acusações, o governador Cid Gomes tentou livrar seu governo de culpa. “É natural que exista desvio de dinheiro. A diferença entre um governo sério e um governo conivente é que o governo sério, quando descobre, pune – o que o Camilo fez”, disse Cid. “Tudo mais é marola de adversário que está vendo o Camilo crescer”, completou.

O secretário da Saúde, Ciro Gomes, também não poupou críticas ao ex-aliado. “Além de despreparado e de não ter a menor condição moral como homem público, ele se especializou em mentir de forma absurda”, disse Ciro. “Ele disse na TV que me processou, mentira de novo. Ele não tem coragem de me processar porque sabe que eu provo na testa dele que ele não tem decência pra assumir o Ceará”, destacou. (Jéssica Welma)

Saiu no Rondônia 360 Eunício Oliveira: o político que esqueceu sua gente

Eunício Oliveira
Eunício Oliveira, o candidato a governador mais rico do Brasil que abandonou sua cidade, Lavras da Mangabeira, quando chegou ao poder.
Senador pelo estado do Ceará e candidato a governador mais rico do Brasil, Eunício Oliveira lidera as intenções de voto no Ceará e pode ser eleito para comandar seu estado. Envolvido em escândalos com a Petrobrás que podem explicar seu rápido enriquecimento, Eunício Oliveira diz que se tornou político para mudar a vida de seu povo do Ceará e de Lavras da Mangabeira, terra onde o senador nasceu e foi criado. Entretanto, ao mesmo tempo em que Eunício chega ao ápice de sua carreira política, Lavras de Mangabeira se encontra em uma situação caótica, beirando a calamidade no sertão do Ceará.

Eunício Oliveira: 16 anos na política e 16 anos de caos em Lavras da Mangabeira

Com 16 anos de carreira política, Eunício Oliveira já foi deputado federal por três mandatos, 1998, 2002 e 2006, foi Ministro das Comunicações no governo Lula e em 2010 alcançou o cobiçado posto de senador pelo estado do Ceará com mais de 2 milhões de votos. Com uma carreira política repleta de conquistas, era de se esperar que o candidato levasse a bandeira e as lutas de sua cidade, Lavras da Mangabeira, para Brasília, que ajudasse sua cidade a obter benefícios, que tornasse a vida dos moradores, a quem ele chama de “irmãos” em comícios e entrevistas, melhor. Mas isso não aconteceu. “Eunício, passe a mão na consciência e veja o que você está fazendo com a gente. Porque quando você vem para cá nos comícios fala que nós somos seus irmãos, porque você nasceu e cresceu por aqui, mas parece que isso só acontece na hora do voto, depois parece que a gente vota ele some, parece que a gente morreu, eu me sinto humilhada, usada” – desabafa Maria Arlete, moradora de Iborepi, distrito de Lavras da Mangabeira onde Eunício Oliveira nasceu e foi criado. Maria Arlete tem motivos para ficar revoltada com Eunício. Nos últimos 16 anos, a situação do município de Lavras da Mangabeira vem beirando o caos. A cidade sofre um enorme atraso de desenvolvimento em comparação ao Ceará e ao resto do Brasil. Indicadores de qualidade de vida comprovam a calamidade do município. No índice de Desenvolvimento Municipal (IDM), que analisa as cidades baseado em aspectos geográficos, sociodemográficos, culturais,  além das áreas de infraestrutura, economia e finanças com o objetivo de medir seu desenvolvimento, Lavras da Mangabeira perdeu 20 posições desde o ano 2000, caiu da 101ª posição para o 121º lugar.
Lavras da Mangabeira - IDM
IDM de Lavras da Mangabeira sofre queda assustadora.
“Falta água, falta emprego, falta moradia, é muita coisa pra gente suportar. Mas fazer o que, né? É o jeito” – Se conforma, Francisca Luzinete, outra moradora de Iborepi, quando questionada sobre os problemas do distrito e da cidade de Lavras da Mangabeira. O desabafo de Francisca se faz verdadeiro quando olhamos para outros dados de Lavras da Mangabeira. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que faz uma análise baseada na saúde, renda e educação dos moradores para medir a qualidade de vida e que despencou em Lavras da Mangabeira desde que Eunício Oliveira começou sua carreira política. A cidade caiu 11 posições, da 79ª posição para a 90ª considerando apenas os municípios do Ceará.
Lavras da Mangabeira - IDH
O IDH também caiu em Lavras da Mangabeira.
Quando analisamos o Índice de Desenvolvimento Social de Resultado (IDS-R), que analisa a oferta de serviços públicos na área social, dentre eles, educação, saúde, condições de moradia, segurança pública, emprego, renda e desenvolvimento rural, dos anos de 2000 a 2014, Lavras da Mangabeira sofreu uma das maiores quedas de todos os municípios do Ceará, despencando da 81ª posição para a 126ª colocação no ranking estadual.
Lavras da Mangabeira - IDS
O IDS-R também teve uma queda assustadora nos últimos anos.
“Ele deveria fazer alguma coisa, dar mais valor para a gente. Ele pode ter feito algo fora daqui, mas pra gente nunca fez nada. Agora ele é muito rico e a gente não tem nada”, conta Anderson Tomaz, pequeno produtor rural de Lavras da Mangabeira. A situação de Eunício Oliveira piora quando descobrimos que, além de ocupar os postos de senador e deputado federal e não ter feito nada por sua cidade natal, o político milionário teve outra grande oportunidade de beneficiar seu povo, mas não aproveitou.

Dena Oliveira: irmã de Eunício e ex-prefeita de Lavras da Mangabeira

Dena Oliveira, irmão de Eunício, foi prefeita de Lavras da Mangabeira entre os anos de 2005 e 2012, ou seja, no período mais crítico de queda dos índices de desenvolvimento da cidade, quando o município entrou para a lista dos mais necessitados e carentes do Ceará. Mesmo com a família Oliveira ocupando cargos em duas grandes esferas, a municipal e a federal, nada foi feito por Lavras da Mangabeira e agora, seu povo clama por socorro.

O vídeo que comprova o descaso de Eunício Oliveira

Hoje, Eunício Oliveira tenta se tornar governador do Ceará, prometendo a todos os moradores do estado que dará atenção a todos os municípios e da população carente da região. A dúvida que surge diante das promessas de Eunício é bem simples.
Como um senador que esqueceu sua cidade e largou Lavras da Mangabeira na miséria pode cuidar de um estado tão importante como o Ceará? Quem responderá essa pergunta será o povo cearense, nas eleições do próximo dia 5 de outubro.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

CNT/MDA: Dilma sobe de 36% para 40,4%, Marina tem 25,2%


  • Dilma amplia vantagem sobre Marina no primeiro turno e venceria segundo turno
Pesquisa MDA divulgada nesta segunda-feira, o mostra que a presidente Dilma Rousseff ampliou a vantagem que tinha em relação a Marina Silva no primeiro turno da corrida ao Palácio do Planalto. Dilma subiu de 36% para 40,4% das intenções de voto. Marina oscilou de 27,4% a 25,2%, no limite da margem de erro na comparação para a sondagem divulgada no dia 23 de setembro. O candidato do PSDB, Aécio Neves, oscilou de 17,6% para 19,8%, também no limite da margem de erro (2,2 pontos porcentuais).

No principal cenário de disputa para segundo turno, Dilma venceria Marina por nove pontos de vantagem. A petista tem 47,7% contra 38,7% da candidata do PSB. No levantamento anterior, Dilma tinha 42% e Marina, 41%, em situação de empate técnico.

Na disputa entre Dilma e Aécio, a presidente também ampliou a diferença e se reelegeria com 49,1% contra 36,8% do tucano. A petista tinha 45,5% contra 36,5% do tucano.

Segundo a CNT, foram entrevistados 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 unidades federativas das cinco regiões do País, nos dias 27 e 28 de setembro. A margem da pesquisa de erro é de 2,2 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-00992/2014.

Dilma é líder isolada em 7 de 14 estados; Marina à frente em 2 e no DF

As duas candidatas dividem a liderança em três estados. No Paraná, há tríplice empate técnico, que inclui ainda Aécio Neves. O tucano não desponta sozinho em nenhum dos estados, mas divide liderança ainda em Minas

A presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) é líder na preferência do eleitorado de 12, entre 14 estados pesquisados pelos institutos Datafolha e/ou Ibope, seja isoladamente ou em empate técnico. Marina Silva (PSB) fica na frente, sozinha ou em empate técnico em sete. Aécio Neves (PSDB) não lidera isolado em nenhum dos estados consultados por Datafolha ou Ibope, mas divide a dianteira em Minas Gerais e Paraná.

Dilma tem a preferência, isolada, dos eleitores de Ceará, Rio Grande do Norte, Bahia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Goiás e Mato Grosso. Em empate técnico com Marina, considerando a margem de erro de cada pesquisa para mais ou para menos, ela fica na frente em Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro. Em empate técnico com Aécio, ela lidera em Minas Gerais.

E há ainda o Paraná, onde os três estão tecnicamente empatados: Dilma e Marina têm 29%, enquanto Aécio está com 28% das intenções de voto.

Ainda segundo os últimos levantamentos dos dois principais institutos de pesquisa do País, Marina lidera isoladamente em São Paulo, Acre e no Distrito Federal, além dos quatro em que divide a dianteira em situação de empate técnico.

Apesar de não liderar em nenhum dos estados consultados, Aécio Neves divide a preferência dos eleitores com Dilma Rousseff em seu mais importante reduto eleitoral - Minas Gerais, onde Aécio foi governador por oito anos.

Aécio Neves tem 31% das intenções de voto, enquanto a presidente Dilma conta com 32%. A diferença está dentro da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Média nacional
Segundo pesquisa nacional divulgada ontem pelo instituto Datafolha, Dilma Rousseff tem 40%; Marina Silva 27%; e Aécio Neves 18%. Já na pesquisa Ibope divulgada na terça-feira passada, Dilma tinha 38%, Marina, 29%, e Aécio 19%.

Segundo ambos os institutos, por esses números, haveria segundo turno entre Dilma Rousseff e Marina Silva.

Embora os institutos façam pesquisas para presidente também em outros estados, foi nas unidades da federação citadas acima que houve consultas em número suficiente para fazer o recorte do desempenho apenas no estado, dentro da margem de erro. Nos demais, a coleta serve para compor o panorama nacional, mas não é possível o recorte local. Para não haver desequilíbrio em função da proporção de eleitores, é feita ponderação dos números.

NÚMEROS

40%
A petista subiu três pontos em relação a última pesquisa, do dia 19, segundo o Datafolha. A rejeição de Dilma é de 31% 

27%
Perdeu três pontos, em comparação a pesquisa do dia 19. Agora, a diferença para Dilma chegou a 13 pontos. 23% rejeitam Marina Silva 

18%
Frente a última pesquisa do Datafolha, Aécio oscilou positivamente, de 17% para 18%. O índice de rejeição do tucano é de 20%

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

a morte do Orkut: saiba como salvar suas informações


 Share7  

O Orkut sairá do ar permanentemente na próxima terça-feira, dia 30 de setembro, levando junto uma quantidade enorme de informações. Se você mantém perfil ou comunidades por lá, talvez seja bom retornar ao site para dar uma olhada, porque parte disso será deletada enquanto outra parte permanecerá disponível para toda a internet.

Olhar Digital preparou um guia com sete itens para tirar todas as dúvidas referentes ao que sai e o que fica depois da morte do Orkut. Você também fica sabendo o que fazer para excluir ou manter seus dados disponíveis. Confira:

Como posso salvar minhas informações?
É possível exportar os álbuns de fotos para o Google+ clicando aqui. E salvar, no computador, o perfil, scraps, depoimentos e postagens em comunidades através do Google Takeout. Isso pode ser feito até setembro de 2016.
Dá para transferir meu perfil para o Google+?
Quase isso. É possível vincular o perfil do Orkut ao do Plus indo em Configurações > Google+ > Conectar seus perfis do Google+ e Orkut > Conectar contas.
E as comunidades?
Não há como exportar uma comunidade do Orkut, mas você pode criar uma no Google+ e conectá-la à que já possui no Orkut. Assim, quem está na comunidade do Orkut verá um banner informando que aquele espaço também está disponível no Plus. Vá em Configurações da comunidade > Google+ > Conectar essa comunidade.
O que será feito com as comunidades?
Todas as comunidades públicas serão salvas em um arquivo chamado Arquivo de Comunidades, que o Google deixará na internet como lembrança histórica do Orkut.
Minhas postagens permanecerão também?
Depende de você. Caso queira manter seus tópicos, comentários e pesquisas como parte do Arquivo de Comunidades, não precisa fazer nada. Se preferir, pode excluir postagens individuais ou todas de uma só vez.
E como eu faço isso?
Individualmente, procure o que deseja que desapareça e apague, o que só pode ser feito até30 de setembro. Ou exclua o Orkut de sua Conta do Google, o que fará todas as suas interações desaparecerem junto com fotos, informações de perfil e mensagens.
Clique aqui > Ferramentas de dados > Excluir produtos > Remover Orkut permanentemente. (Isso pode ser feito mesmo depois de 30 de setembro.)
Sou dono de uma comunidade e não a quero no Arquivo, o que faço?
A partir de 30 de setembro, se as configurações de privacidade permitirem que a comunidade seja vista por qualquer pessoa, ela irá para o Arquivo automaticamente. Para impedir isso, vá em configurações da comunidade > Privacidade e Segurança > desmarque a caixa Mecanismos de pesquisa como o Google e usuários que não fazem parte do Orkut podem encontrar minha comunidade e seus tópicos.
Se tiver mais dúvidas, clique aqui.